Galeria de projetos

Finalista 2019
Peru
Share
#Sociedadejusta

Bengala eletrônica: ajuda tecnológica para cegos

Relato enviado pelo(a) Professor(a)

Karina Gricelda Santa Maria Santamaria

Escola

Juan Pablo Vizcardo e Guzmán Departamento Lambayeque Provincia Chiclayo Distrito La Victoria, Peru

Composição da equipe do projeto

Daniel Isaí Rodríguez Ángeles, Gabriela Josabet Benavides Cayotopa, Noa Jael Requejo Montoya, Suggey Elizabeth Benavides Cayotopa

Idade dos estudantes

15 a 17 anos

Outras áreas de conhecimento

História, Ciências Sociais ou Sociologia, Artes (artes visuais, cinema, música etc.)

Duração do projeto

Um ano

Habilidades socioemocionais

Colaboração, Comunicação, Criatividade, Pensamento crítico

Áreas STEM

Tecnologia
Ir para...

Empatia: aprendendo com os valores e necessidades das pessoas

Objetivo do projeto, problema a ser resolvido e principais ações

O principal objetivo do projeto foi implementar um dispositivo tecnológico que ajude pessoas com deficiência visual a fortalecer sua autonomia por meio de movimentação livre e segura.

A questão principal que queríamos responder era: Como construir um protótipo de bengala eletrônica que promova a autonomia através da circulação livre e segura de pessoas com deficiência visual no bairro de La Victoria? O desafio foi identificado por ter alunos cegos que nos motivaram a realizar entrevistas com pessoas com deficiência visual de nossa comunidade e membros da associação de artesãos da região de Lambayeque, Peru, liderada pelo presidente suplente Prospero Cesar Carrillo Santiago. Além disso, foram realizadas atividades de convivência que permitiram aos alunos compreender o desenvolvimento dessas pessoas e a necessidade particular de uma bengala eletrônica, para alcançar seu deslocamento, autonomia e segurança.

As ações previstas para o planejamento do projeto foram:

a) Incorporação da necessidade social das pessoas com deficiência visual nas atividades de aprendizagem,
b) Fortalecimento de suas habilidades por meio de oficinas;
c) Reuniões de coordenação;
d) Visitas à associação de artesãos com deficiência;
e) Entrevistas;
f) Trabalho de campo e teste do protótipo.

Nas aulas tivemos que incorporar atividades de aprendizagem que nos levassem a desenvolver o projeto de inovação e com o apoio de todos, poder melhorá-lo a cada dia. O problema foi identificado a partir da realidade que vivemos em nossa instituição de ensino que abriga alunos com deficiência e na história de um determinado aluno, com muitas expectativas de melhoria.

Apresentei a proposta aos alunos. Organizamo-nos através da motivação para participar em projetos inovadores; reuniões foram realizadas fora do espaço da sala de aula, as habilidades eletrônicas e elétricas dos alunos foram fortalecidas por meio de cursos gratuitos, a família foi motivada a apoiar seus filhos.

Definição: entendendo melhor os desafios

Aprofundamento na questão e envolvimento da comunidade escolar e local

A necessidade de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência visual a partir de uma perspectiva tecnológica, levou a equipe de alunos a realizar revisões bibliográficas teses descritivas, experimentais, artigos científicos, artigos de revisão, relacionados propostas tecnológicas que beneficiam pessoas com deficiência visual. Da mesma forma, revisaram dados estatísticos baseados na Organização Mundial de Saúde da população com diferentes habilidades, concluindo que a maioria das pessoas com deficiência visual no Peru têm muitas dificuldades para se locomover em suas ações diárias e para isso usam uma bengala clássica, apoio de um membro da família, um animal de estimação. No entanto, existem propostas de soluções tecnológicas mais eficazes, mas o alto custo não facilita a implementação.

A comunidade educativa foi envolvida através do estímulo permanente e apoio financeiro para iniciar o projeto; a direção através dos convênios firmados com os aliados estratégicos, familiares acompanhando seus filhos em cada reunião de trabalho extracurricular, os demais alunos apoiados por meio de motivação permanente.

Tivemos o apoio do Conadis de Lambayeque. O Sr. Próspero César Carrillo Santiago, Presidente da Associação de Artesãos com Deficiência da Região de Lambayeque, nos deu a oportunidade de os alunos conviverem com pessoas com deficiência visual para conhecê-las, compreendê-las e compreender a realidade pela qual estão passando. Eles também nos apoiaram com os testes de funcionamento do protótipo.

Ideação: desenvolvendo soluções criativas

O desenvolvimento da solução

O projeto do protótipo do bastão eletrônico apresenta as seguintes etapas:

a) Investigar antecedentes de protótipos tecnológicos que auxiliem a movimentação de cegos;
b) Informar-se sobre os materiais necessários para construir o nosso protótipo;
c) Preparar propostas de projeto para o nosso próprio protótipo de Baton Eletrônico;
d) Comprar os materiais, o Arduino UNO R3, o HC-SR04 Sensores ultrassônicos, cabos, diodos, transistores, resistores, um carregador portátil de 24 mil miliamperes (mAh), além de obter vibradores de celular reciclados, plástico reaproveitado e ferramentas necessárias para a instalação dos materiais;
e) Passar os cabos dos sensores pelo interior da bengala clássica, até a caixa do Arduino;
f) Passar os cabos do vibrador pela parte interna do bastão até a caixa do Arduino;
g) Conectar os cabos positivo e negativo dos vibradores com as baquelites, para evitar que queimem;
h) Passar os cabos de baquelite para o Arduino;
i) Separar os cabos dos 3 vibradores e dos 3 sensores no positivo, negativo, terra e alimentação;
j) Conectar os 4 pontos ao Arduino;
k) Com o auxílio do software Arduino e da linguagem de programação, programamos a distância que os sensores capturariam;
l) Testar nosso protótipo com deficientes visuais;
m) Promover o nosso protótipo nas redes sociais;
n) Realizar campanhas de conscientização em nossa instituição de ensino, onde se preze a promoção da inclusão e respeito às pessoas cegas, além de ensinar qual é o comportamento correto da comunidade em relação a essas pessoas; bem como, dar palestras para cegos e suas famílias sobre como usar nossa alternativa tecnológica.

Protótipo: tornando as ideias tangíveis

A construção do protótipo

Trata-se de um protótipo de bengala eletrônica para pessoas com deficiência visual. Foi apresentado ao Município do distrito de La Victoria, ao Governo Regional de Lambayeque e foi entregue em menor escala à associação de artesãos com deficiência na região de Lambayeque.

Materiais usados
a) 3 microcontroladores PIC
b) Sensores ultrassônicos HC-SR04
c) Fios de ligação
d) Diodos
e) Transistores
f) Resistência, espadilhas, cristais, capacitores,
g) Carregador portátil de 24 mil miliamperes (mAh),
h) Vibradores de celulares reciclados
e) Plástico reutilizado
j) Ferramentas necessárias para a instalação dos componentes (furadeira, ferro de solda etc.)
k) Sensor 1 (GND, fonte de alimentação 5v, ECO e TRIGGER).

Teste: colocando as ideias no mundo

Avaliação do processo e da solução desenvolvida

A avaliação foi sustentável. Foi realizada uma avaliação do projeto na etapa inicial, que foi diagnóstica, para conhecer as necessidades das pessoas com deficiência visual; depois uma avaliação de processo para ver como funciona o protótipo e por fim a avaliação final, que foi testando com um grupo de pessoas, para ouvir seus pontos de vista.

Reflexões e práticas pedagógicas

O valor da participação no Samsung Solve for Tomorrow

A importância está no fato de os alunos serem atores diretos nas soluções dos problemas sociais; que sentem que o aprendizado adquirido na escola é útil para ajudar a atender às necessidades sociais. Da mesma forma, que sejam protagonistas, líderes e agentes de mudança na sociedade.

Conquistas e avanços percebidos pelo(a) professor(a), ao longo do processo

Alunos capacitados, líderes, com habilidades acadêmicas, aprendizado fortalecido, inovadores, que consideram o aprendizado útil. Ao mesmo tempo, as famílias e a comunidade educativa sabem valorizar o trabalho dos alunos e ver neles um modelo de inovação a seguir. Melhorias ao nível das conquistas na área das competências científicas e tecnológicas nos alunos do ensino secundário, desenvolvimento de competências desenha e constrói soluções tecnológicas para resolver problemas no seu ambiente.

Desafios enfrentados

Os maiores desafios apresentados em 2019 foram os recursos econômicos para implantação do protótipo; Da mesma forma, o teste do protótipo, pois tivemos que nos organizar de acordo com os horários disponíveis dos artesãos deficientes da região de Lambayeque.

O desenho do protótipo da bengala eletrônica pode ser alterado para que seja incorporado com um painel solar que permite recarregar a bateria portátil e, assim, garantir uma movimentação livre e segura; Você também pode incorporar um holofote de led para que ele emita sua própria luz para a bengala.

Aprendizados incorporados à rotina e prática do(a) professor(a)

Aprendizado relacionado a circuitos elétricos, eletricidade, eletrônica, aprendizado em serviço, desenvolvimento de projetos de ciência e tecnologia, inclusão social, utilidade de simuladores digitais no aprendizado de ciências.

Dicas do(a) Professor(a)

Devemos ser professores inovadores, que gerem mudanças significativas nos alunos e no gosto pela ciência e tecnologia e isso significa diminuir as lacunas e fortalecer a autoestima de nossos alunos para que possam participar e competir nacional e globalmente. Da mesma forma, esse aprendizado ajuda a fornecer soluções para problemas e necessidades sociais que contribuem para a melhoria da parte vulnerável de nossa sociedade.

Projetos sugeridos

Vencedor 2019
Colômbia
Desmucilador

Um elemento tecnológico que extrai um insumo chamado mucilagem sem destruir a espécie.

Vencedor 2021
Colômbia
Themis: seu acesso ao conhecimento

Um projeto que permite que alunos que não possuem conectividade com a internet possam de acessar conteúdos educacionais e interagir em tempo real por meio de uma rede...

Vencedor 2021
República Dominicana
Sistemas integrados de captura de energia mecânica passiva

Dispositivos com a finalidade de criar um sistema passivo integrado de captura e armazenamento de energia mecânica. Estes captam a energia gerada pelas pessoas em sua atividade...